Advertisement
Domingo, 24 de enero de 2021

Confiar nos outros

Temos dificuldade em confiar nos outros. As experiências que vamos tendo ao longo da vida vão endurecendo os nossos corações. Tornamo-nos mais desconfiados e hesitantes em relação aos outros. Já nos demos em demasia e sofremos com isso. Tivemos dissabores e retornos negativos que não esperávamos. Apesar da disponibilidade o caminho nem sempre foi justo. Porém, como disse Samuel Johnson “é melhor sofrer uma injustiça que praticá-la, assim como às vezes é melhor ser enganado do que não confiar”.  Na verdade, a nossa humana dimensão só se completa na relação com os outros mesmo no meio de todas as imperfeições, enganos e desencontros. Não somos perfeitos. Ninguém é perfeito. Os altos e baixos da vida transformam-nos e mexem muito com as nossas veredas interiores, com os nossos sentimentos. Mas sozinhos também não nos completamos nem encontramos qualquer graciosidade na viagem. Precisamos dos outros e os outros precisam de nós. Temos de acreditar e confiar em nós e ao mesmo tempo nos outros porque como disse a propósito Lao-Tsé “aquele que não tem confiança nos outros, não lhes pode ganhar a confiança”. No meio do turbilhão de emoções que dão conteúdo à nossa vida temos que, em primeiro lugar, confiar em nós para não estarmos sempre a duvidar dos outros como nos disse Machado de Assis. Todos os que vivem na grande aldeia da nossa vida têm que aprender a confiar e a valorizar mais o que une e muito menos o que separa. Os equilíbrios são sempre encontrados no meio das turbulências na medida em que o coração tem o poder de reparar o que tantas vezes a racionalidade estraga. A vida é um instante. Uma viagem demasiado rápida para desperdiçarmos o que verdadeiramente importa. Por isso, confiemos para nos completarmos e para sermos felizes, todos!