A roda quadrada

 


 

Utilizo, desde há muito, a expressão “roda quadrada” para classificar processos ou projectos que demoram muito a concretizar. No constante diálogo com os meus botões utilizo-a também para embrulhar as atitudes de todos os que se cruzam comigo e que, de alguma forma, dificultam o caminho. Por fim, esta expressão que se enraizou no meu vocabulário pode ser também aplicada a mim. Mas já lá vamos. A roda foi das maiores invenções da humanidade. Com ela os homens conseguiram fazer deslizar e transportar objectos de grandes dimensões. A roda que gira e avança na sua forma arredondada permitiu mil e uma utilizações às comunidades da antiguidade e avanços muito significativos ao nível do seu desenvolvimento. Actualmente, quase sem darmos por isso, a roda e os seus movimentos circulares estão presentes na nossa vida de uma forma muito significativa. A roda redonda que desliza com facilidade finta o atrito com relativa facilidade. Às vezes precisa apenas de um ligeiro empurrão. Porém se, entretanto, imaginarmos uma roda quadrada percebemos, facilmente, que o movimento de circulação acontece com maior dificuldade. Exige mais esforço e a conclusão de uma tarefa aparentemente simples leva mais tempo a executar. De igual modo há pessoas que erguem rodas quadradas em todo o lado. Não simplificam os processos. Complicam a vida exigindo mais tempo e esforço de todos. As razões são muitas e não cabem neste texto. Sei apenas que as rodas quadradas nos fazem perder tempo e energia. Precisamos de uma coisa e outra nesta nossa viagem tão curta. O trabalho de limar arestas do quadrado é pedagógico e muito importante. É também a melhor forma de combatermos as rodas quadradas para que tudo deslize melhor. No entanto, a melhor forma de resolvermos os quadrados que as rodas têm é chegarmos ao coração das pessoas, valorizando a vida e falando-lhes de amor. O tempo é curto. Por isso os processos devem deslizar melhor para realizarmos esforços e gastarmos o tempo com tudo o que importa. Num exercício de clareamento da visão do caminho devemos olhar para dentro de nós para tentarmos perceber se nós também construímos rodas quadradas. E se assim for devemos iniciar o combate do arredondamento de arestas com a maior rapidez possível. A vida é um acontecimento extraordinário. Precisa que as rodas cumpram a sua arredondada condição. Os quadrados têm outra função, metê-los nas rodas é complicar tudo. É gastar mal o tempo, deixando de aproveitar a vida. O tempo, como a roda, deve deslizar com naturalidade. Saibamos combater as rodas quadradas, começando por nós, limando todas as arestas que temos que limar.