Os nossos momentos

A vida é feita de momentos. Uns são bons e outros não. Todos mexem connosco. Ajudam-nos a crescer e a construir o nosso carácter. Fazem parte de nós e das nossos circunstâncias. Nem sempre os valorizamos como devíamos. Passamos por eles sem lhes atribuirmos o significado que merecem. Avançamos no caminho e vamos deixando os momentos para trás transformando-os em memórias. Mais tarde vamos recuperar um ou outro para darmos expressão a saudosismos das horas boas ou para sublinharmos as coisas que correram menos bem para não repetirmos os mesmos erros. A máquina do tempo é voraz, leva tudo na frente. E nós só nos damos conta desse efeito terrível quando a viagem já vai longa. Apesar disso há sempre tempo para valorizarmos o que deve ser valorizado. Os momentos da nossa vida são a construção de nós. Os que fazem parte do passado e todos os outros que virão. O tempo presente é sempre a hora certa de cada momento que devemos saborear como se não existisse outro. Mesmo nas horas difíceis que desejamos que passem de forma rápida, há sempre coisas boas para valorizar. A vida é uma lição enorme e cada momento uma referência intemporal. Se soubermos viver os momentos estaremos a aprender o que devemos para podermos também ensinar. Os momentos que existem, uns atrás dos outros, ganham dimensão e relevância com pessoas dentro. Todos contam, sobretudo os que se cruzam connosco, não nos deixando iguais. Cada momento é um avanço. Uma transformação. Se estivarmos com atenção percebemos que as coisas que parecem nada são afinal muito. E nós também seremos mais do que menos se soubermos apreciar os momentos e as pessoas que os constroem. Se fizermos isso, tudo ficará agarrado à nossa pele e com toda a certeza teremos mais luz no caminho. A felicidade não existe como um todo. Mora nos momentos que soubermos desenhar ou simplesmente usufruir através da brisa que levemente nos empurra para amanhã.