Lunes, 16 de septiembre de 2019

A minha ampulheta também voa

Há muito que a questão do tempo bate à porta dos meus pensamentos. Talvez por isso goste tanto de ampulhetas. Observo sempre com muita atenção a movimentação lenta das suas areias. Contemplo a forma suave como elas saem de um lado para preencherem o outro e também como deixam a descoberto outros espaços. Os vazios simbólicos que as ampulhetas representam convocam-me, com regularidade, para meditar na qualidade do nosso tempo, na forma como o gastamos e, sobretudo, na forma como ele nos desgasta. Ao fixar o movimento lento da areia que se desloca percebo que ela voa como o tempo. À luz dessa imagem a minha ampulheta também voa na medida em que o tempo passa quase sempre sem nos darmos conta. Também por isso é tão importante que, de vez em quando, possamos guardar algum tempo para contemplarmos a doce movimentação das areias da ampulheta para, entre muitas outras coisas, reflectirmos sobre a forma como estamos a gastar as areias que nos restam. Nesses instantes preciosos lembramo-nos do que já fizemos e do que gostaríamos de fazer. Pensamos muito nas coisas do passado e projectamo-nos no futuro. Parecemos uma ponte que está no meio dos dois tempos. Nesses instantes encarnamos a imagem daquele pequeno canal que separa os dois balões da ampulheta. Não estamos num lado, nem no outro. Sentimos a areia passar por nós. Sentimos o deslizar do tempo, das coisas que existiram e das que existirão no balão seguinte. Raramente estamos disponíveis para saborear o momento presente, o tempo em que estamos, que é absolutamente nosso. E é isso o que nos tem faltado! Temos que viver mais o presente, as cores e os sabores dos lugares que frequentamos, sentindo o vento que passa entre uma esquina e outra. Às vezes, vamos com ideias fixas para determinados momentos ou trajectos. Definimos que vamos fazer isto ou aquilo. Isso é muito importante para a nossa organização pessoal e colectiva. Mas, sem descuramos toda a orientação ou planeamento que possamos fazer, temos que reservar espaço e tempo para o inesperado, para celebrarmos as coisas que acontecem por si de forma completamente aleatória. Essa é a beleza do momento que temos que captar e, acima de tudo, viver. Esse momento único não se voltará a repetir. Por isso, temos que o viver com a maior intensidade possível, com leveza de pensamento e sem pensarmos em todos os condicionalismos que nos tolhem os movimentos, o coração e todos os prazeres que a vida nos concede. Quando a minha ampulheta voa eu também tenho asas para voar para onde quiser mesmo que acabe por não sair do lugar em que me encontro. Quando isso acontece o tempo deixa de ter o peso que tem. A liberdade emerge na linha de todas as águas e a felicidade ilumina-nos o rosto mesmo que seja só por uns instantes. A isso chama-se viver, coisa que às vezes nos esquecemos de fazer.