Domingo, 8 de diciembre de 2019

Coragem, a força tranquila!

Para Aristóteles a coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras. Esta qualidade cimeira está presente em todos nós. Nem sempre a conseguimos vislumbrar mas ela está lá. Ela cresce com a ocasião como disse William Shakespeare. De vez em quando assistimos a actos de coragem. Ficamos maravilhados e impressionados. Tocamo-nos por dentro! Falamos com os “nossos botões” perguntando se, naquelas circunstâncias, teríamos a coragem de fazer o mesmo. Uns dizem que têm coragem. Outros não dizem nada e percebe-se que são extremamente corajosos. E muitos outros afirmam que não têm coragem e assumem que têm medo. O medo é uma coisa terrível. Tolhe-nos os movimentos. Aprisiona-nos. Não nos deixa caminhar. Paralisa-nos! Por isso, e ao contrário de determinados entendimentos, a coragem não é a ausência de medo. A este propósito Mark Twain disse que a “coragem é a resistência ao medo, domínio do medo, e não a ausência de medo.” Todos temos medo! Uns mais e outros menos. Mas o medo está lá à nossa frente e entranhado na nossa mais profunda intimidade. É um obstáculo forte que precisa de ser ultrapassado. Ter coragem é agir com o coração! É agir de acordo com o nosso desejo e com a nossa vontade! E o que, verdadeiramente, desejamos tem muita força! O nosso coração tem muita força! Estimula a nossa coragem, essa força tranquila que nos faz seguir em frente no meio de todas as nossas dificuldades e adversidades. Nesse sempre nos damos conta da nossa coragem. Sim, ela é uma força tranquila que faz acontecer… que faz superar todos os medos porque precisamos seguir em frente. Há milhões de histórias simples de gente anónima que superou o medo para continuar a caminhar e a cumprir o grande direito à felicidade! Essas histórias não são conhecidas, não são citadas nem referidas como exemplo. Mas são pedaços de felicidade que acomodam o nosso tempo e fazem brilhar as estrelas. A coragem é um compromisso connosco para que possamos cumprir os nossos sonhos! Não podemos ficar à porta, entreaberta, onde moram todas as desculpas para não fazermos isto e aquilo. A coragem é uma força imensa que residente em nós e cresce, como se disse, com a ocasião. Perante a adversidade nós vamos em frente. Para defendermos os nossos e os que habitam o nosso coração requisitamos forças às entranhas para combatermos todos os medos e dificuldades. Sim, se nós quisermos conseguimos, sempre! Porém, não devemos apelar à coragem apenas nos momentos limite. Devemos alinhar com ela, todos os dias, mergulhando na sua força tranquila para seguirmos em direcção à felicidade. Por vezes, ter coragem significa, como disse Stendhal, “colhermos uma planta delicada à beira de um precipício” para continuarmos a respirar amor. Coragem é dizer “amo-te” sempre que isso se tornar mais difícil. Coragem é quebrar rotinas e alinhar o pensamento e o desejo com a acção, semeando amor onde ele deve ser semeado. No fundo, a força tranquila da coragem, permite-nos abraçar todas as rosas perfumadas, mesmo quando elas estão cheias de espinhos. Coragem é fazer! É caminhar e seguir em frente! É soltar palavras de amor aos quatro ventos para que não fiquem eternamente paralisadas pelo medo que nos diminui. Coragem é amar com todas as forças porque é isso o que o coração nos manda fazer! Coragem é agir com o coração!