Viernes, 20 de julio de 2018

Monólogo sobre a montanha lá do alto

Um provérbio japonês dá-nos conta que as “dificuldades são como as montanhas. Elas só se aplainam quando avançamos sobre elas.” Perante esta verdade insofismável ficamos tantas vezes a olhar para a montanha, tão deslumbrados com a sua beleza como assustados com a sua altura. Desejamos subir pela encosta para chegarmos ao alto. Mas começamos logo por registar a dificuldade da subida, a reclamar pela falta de condições, a conspirar contra o tempo que não ajuda e, por fim, insultamos a própria subida que desejamos subir! Somos assim, queremos chegar ao alto mas não nos dispomos a superar as dificuldades que, certamente, encontraremos na subida íngreme e agreste. A vida é dura, como a montanha! Se não avançarmos sobre ela, ela avançará sobre nós! Arrasa-nos num ápice! Não chegamos a subir nada! Nem iniciaremos a caminhada se ficarmos à espera que alguém nos puxe montanha acima! Ninguém nos puxará, fiquem descansados! A montanha é um colosso! Parece intransponível apesar da sua tranquilidade e beleza. Escalar a sua encosta é sempre um desafio difícil. Olhamos para cima e temos dificuldade visualizar o topo. Se nos encontramos lá no alto vemos tudo cá em baixo em tamanho muito pequenino. Mas se tropeçarmos lá no alto só paramos cá em baixo! E a descida é muito rápida e feita aos trambolhões! Ninguém nos pára! Ninguém nos ajuda na descida vertiginosa como também não nos ajudaram na subida. Subir custa muito. Descer é um instante! Nunca nos podemos esquecer disso e também que ninguém nos ajuda! Temos que ser nós, pelo no próprio pé, pela nossa vontade e determinação, a tentar subir a montanha. Apesar disso, na subida íngreme e esforçada encontraremos sempre quem nos apoie e nós também apoiaremos outros que sobem connosco. Naquele momento de esforço e sacrifício que a subida exige todos somos solidários e fraternos. Mas se alguém cai… só pára lá no fundo! Ninguém o agarra! Então temos que subir com cautela para não tropeçarmos. No cumprimento deste propósito não nos podemos esquecer das palavras de Augusto Cury que nos alertam para o seguinte: “não tropeçamos nas grandes montanhas, mas nas pequenas pedras.” Sim, são essas pequenas pedras que encontramos na subida da montanha que nos atrasam. São muitas e estão sempre a meter-se debaixo dos nossos pés! Incomodam-nos! Perturbam-nos! Dificultam-nos a caminhada! Não é a grande montanha que nos barra o caminho. Ela espera por nós e deseja que a possamos saudar lá no alto. Mas nada nos diz sobre as pequenas pedras do caminho. Essa é uma tarefa nossa! É a nossa aprendizagem! De tanto subirmos e escorregarmos nas pequenas pedras aprendemos a caminhar com mais firmeza, mais prudência e maior sabedoria. Subimos mais devagar mas com passos mais firmes, especialmente se nos ampararmos e confiarmos em quem vai subindo ao nosso lado. Um dia lá chegaremos ao alto para beijarmos as nuvens sem esperamos por recompensas ou troféus. Aí, no cimo da montanha, aprendemos que afinal não interessava tanto a chegada mas sim a qualidade e a alegria da subida! Cada etapa transforma-se num prémio de afectos. Na subida vamos olhando para cima e para baixo. Medimos o quanto nos falta para chegarmos ao alto. Também percebemos o quanto já subimos, os obstáculos que superámos e pequenas pedras que fintámos. Damo-nos conta que a montanha é enorme mas que, apesar da sua monumentalidade, ela nunca tapará o sol. Por isso haverá sempre luz no caminho! Passo a passo vamos conquistando a montanha, respeitando-a a todo o momento. Sabemos que a subida é longa e difícil. Vamos percebendo que o melhor é não termos pressa. Subimos um dia de cada vez e, entretanto, vamos agradecendo os raios de sol e a paisagem que se apresenta de forma deslumbrante à frente dos nossos olhos. Lavamos a cara nas águas que escorrem pela encosta, ouvimos os pássaros que cantam à nossa volta e embrulhamo-nos no perfume das flores. A montanha é uma vida inteira. É tão bela quanto difícil. É também por isso que a devemos subir e viver a cada instante como se ela olhasse sempre por nós esperando-nos no alto para nos abraçar!