Domingo, 17 de diciembre de 2017

Aprende a abraçar o adversário.

“Nunca te orgulhes de ter vencido um adversário. Aquele que venceste hoje poderá derrotar-te amanhã. A única vitória que perdura é a que se conquista sobre a própria ignorância.”  Jigoro Kano

A vida é uma guerra permanente. Uma sucessão de batalhas. Não no sentido literal do termo mas no que diz respeito aos desafios que encontramos no caminho. A nossa vida está repleta de combates, vitórias e derrotas. No meio desses exercícios frequentes em que nos forjamos e moldamos como homens e mulheres deste tempo, contamos com os nossos amigos e aliados e confrontamo-nos com os nossos adversários. A vida também é isso! Os nossos amigos estão sempre connosco, principalmente nos momentos maus e nos desafios mais exigentes. Os aliados acompanham-nos estrategicamente. Precisamos deles e eles precisam de nós. Os amigos não reclamam nada, não precisam de nada, apenas da nossa amizade e da vontade do nosso coração. A amizade é uma coisa extraordinária que deve ser regada todos os dias como as flores do jardim. Mas no caminho nem tudo são rosas. Deparamo-nos com momentos muito difíceis, com a adversidade e também com os adversários. Apesar de todos os confrontos e dificuldades que os adversários nos colocam devemos encará-los com respeito e agradecer-lhes sempre o facto de nos porem à prova e dos retirarem da nossa zona de conforto. Nesse sentido eles são uma bênção e uma presença fundamental! Um adversário não é um inimigo! Isso é outra coisa que fica para outras linhas da escrita. Todos temos adversários. Isso faz parte da vida e do caminho. Não há nenhum drama nisso. O adversário é aquele que está contra. E é apenas isso. Estamos contra tantas vezes e outras tantas estão contra nós. E em muitas outras o nosso principal adversário somos mesmo nós, na nossa disputa interna, no grande conflito permanente da nossa intimidade. O adversário é apenas um adversário. Está contra. E nós estamos contra. Cruzamo-nos com os nossos adversários nas vitórias e nas derrotas. E com eles aprendemos a apreciar o sal da vida e a essência das coisas. O justo prémio tem mais sabor depois de uma dura batalha ou de uma conquista difícil. E também é com a derrota que mais aprendemos. Quase ninguém se dá ao trabalho de reflectir sobre uma vitória para além de a celebrar com entusiasmo. Mas reflectimos muito sobre a derrota, pensamos muitos nos pontos em que falhámos e identificamos as forças dos nossos adversários e as nossas fraquezas. Colocamos tudo em perspectiva para evoluirmos e nos tornarmos mais fortes. Também por isso os adversários merecem todo o nosso respeito. Como disse o grande mestre das artes marciais Jigoro Kano, “nunca te orgulhes de ter vencido um adversário. Aquele que venceste hoje poderá derrotar-te amanhã. A única vitória que perdura é a que se conquista sobre a própria ignorância.” Em cada momento do caminho devemos ter a capacidade de olhar para o espelho, fundamentalmente para o espelho interior, para contemplarmos a imagem que queremos ver reflectida nele para aprendermos com tudo o que nos acontece, principalmente na hora da derrota. Por isso, devemos aprender a abraçar os nossos adversários e alimentar o respeito mútuo porque eles nos tornam sempre mais fortes e mais confiantes na jornada, sobretudo quando nos infligem derrotas amargas e difíceis de digerir. A vida é um caminho de fantástico, repleto de alegrias e tristezas, vitórias e derrotas. Por isso devemos fazer como nos disse o poeta Augusto Branco: “(…) bom mesmo é ir à luta com determinação, abraçar a vida com paixão, perder com classe e vencer com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é muito para ser insignificante.” E considerando que a vida é uma jornada muito curta, podemos começar por vencer o adversário que está dentro de nós para podermos abraçar e a agradecer a todos os adversários que formos encontrando no caminho porque eles nos tornarão mais fortes e com mais capacidade para desfrutarmos da beleza do caminho.