Domingo, 17 de diciembre de 2017

Dá-me um abraço!

“Já me perdi sem rumo certo / Já me venci pelo cansaço / E estando longe, estive tão perto / Do teu abraço”   Miguel Gameiro

 

 

“Dá-me um abraço” é o título de uma canção extraordinária do Miguel Gameiro. Vale a pena ouvir. Vale a pena abraçar! Às vezes, precisamos muito de um abraço. Outras vezes precisamos de abraçar alguém. Um abraço tem um poder fantástico. Cura a alma! Muitas vezes em determinadas circunstâncias da nossa vida as palavras não chegam para a expressão do nosso sentimento. E em certos momentos o silêncio de um abraço é tudo o que precisamos para o sossego merecido. Nas alegrias e tristezas do nosso caminho há braços abertos que nos confortam e nos apertam o coração! Esses são braços enormes e repletos de afecto que estão sempre abertos para nos aconchegarem, independentemente das circunstâncias do tempo e das vidas que passam. São esses braços que nos protegem. São esses braços que não dão abraços, força e estímulo para ultrapassarmos os obstáculos do nosso caminho. São esses abraços que nos apertam sem apertar e são também esses abraços que, por vezes, nos fazer despertar! Principalmente nos momentos mais difíceis, o silêncio de um abraço ajuda a curar as nossas feridas para podermos seguir em frente. Um abraço é uma grande terapia! É um impulso do coração! É uma porta aberta para a felicidade! No nosso dia-a-dia cruzamo-nos com muita gente. Com pessoas mais próximas e outras mais distantes. Cruzamo-nos com os amigos e família, com os colegas de trabalho, com os nossos vizinhos … e por aí adiante! Mas, as pessoas não têm o coração na montra. Não sabemos o que estão a sentir. Se estão bem ou menos bem. Algumas verbalizam o que lhes vai na alma. Outras não! Mas um abraço…Um abraço forte e sincero desarma qualquer protecção mais ou menos aparente. E esse abraço não quer mais nada do que sossegar quem anda desassossegado, por isto ou por aquilo, nomeadamente em tempos de grandes correrias para nada! Um abraço é uma ponte para o equilíbrio emocional ou, como nos disse, Mário Quintana: “abraçar é dizer com as mãos o que a boca não consegue porque nem sempre existe palavra para dizer tudo”. Abraçar é tocar no outro. É juntar forças! É sentir em conjunto! É transportar energia para quem dela mais precisa. Abraçar faz bem. Faz-nos bem! A vida tem mais afecto se abraçarmos alguém e se os outros nos levarem nos seus braços quando mais precisarmos. O abraço liga-nos aos outros e traduz a importância do toque para o ser humano. As palavras são belas e adoro escutá-las. Admiro as palavras belas e melódicas. Mas, por vezes, as palavras não conseguem dizer tudo. Ou às vezes não há mais nada para dizer! Resta apenas espaço para um abraço apertado, sentido, que no meio do silêncio diz mais que uma montanha de palavras! Não há nada como contarmos com braços abertos para nos apertarem contra o coração. Aí, nesse instante, não dizemos nada, não há nada para dizer, há apenas um coração que fala e emoções que verbalizam felicidade entre o vale e a montanha da nossa vida. Hoje é tempo de abraçarmos alguém ou de reclamarmos um abraço!